As vantagens do óleo lubrificante sintético

Coleta do óleo lubrificante usado
8 de maio de 2014
O percurso do óleo no carro
11 de dezembro de 2014

As vantagens do óleo lubrificante sintético

Vamos falar do que mantem a vida do seu motor, óleo lubrificante. De modo geral podemos classificar de modo geral os óleos como: mineral, vegetal, animal e sintético. Como raramente os óleos de origem animal e vegetal são usados para lubrificação de veículos, no mercado encontramos mais assertivamente dois tipos de óleos para veículos: mineral e sintético. E já antecipando, aqui nesse quesito, o natural não é melhor que o sintético.

É do refino do petróleo que vem os óleos minerais e são compostos de pequenas frações dos hidrocarbonetos, e com isso, são classificados como parafínicos, aromáticos ou naftênicos.  Por serem obtidos por frações e partículas, eles são mais baratos, portanto mais atrativos, porem o maior ponto fraco do óleo mineral é na sua carbonização nas sedes de válvulas e cabeçotes do motor, porque ele sempre vai exigir aditivos para prevenir problemas.

Já os óleos sintéticos possuem sua composição bem mais definida e encorpada, porque são obtidos a partir de reações químicas e de processos polimerizados de insumos que são provenientes da indústria. Os óleos sintéticos podem ser de origem:

  1. Hidrocarbonetos – fabricados a partir de óleos minerais, porém levam um processo de sinteticação, o qual elimina os radicais livres e impurezas, deixando-os assim mais estável a oxidação.
  2. Poliésteres – são utilizados para fabricação de lubrificantes especiais, fluidos de freios, óleos hidráulicos e fluídos de corteos poli-alquileno-glicóis, miscível ou não miscível em água.
  3. Diésteres – ligações entre ácidos através de perda de água
  4. Silicone – que são grandes destaques pela alta resistência contra temperaturas baixas e altas, e também ao envelhecimento
  5. Poliésteres perfluorados – flúor e fluorclorocarbonos tem uma estabilidade extraordinária contra influência química.

Com base em seus tipos e processos, é exatamente aí que vem o fator surpreendente: o óleo sintético pode ser mais eficaz pelo fator que ele foi desenvolvido única e exclusivamente para ser utilizado como lubrificante, e por isso possui características impares para este papel no motor do seu veículo, afinal de contas, o processo da fabricação de um óleo sintético requer muitos cuidados e isso reflete com certeza na qualidade final do mesmo, por isso eles possuem maior estabilidade e ação de detergência, conseguindo assim manter suas propriedades por mais tempo do que os óleos minerais.

Na indústria de modo geral, há três normas que classificam os óleos:

  1. SAE (Society of Automotive Engineers / Associação dos Engenheiros Automotivos) que define a classificação do lubrificante relacionada à viscosidade do óleo.
  2. API (Americam Petroleum Institute / Instituto Americano de Petróleo) que cria e desenvolve a linguagem apropriada para o consumidor relacionado aos termos de serviços.
  3. ASTM (Americam Society for Testinf of Materials / Associação Americana para Prova de Materiais) que define os métodos dos ensaios e os limites do desempenho dos lubrificantes em geral.

Estas três normas sempre estão ligadas para avaliar os seguintes parâmetros em um óleo:

  1. Viscosidade
  2. Índice de viscosidade
  3. Densidade relativa
  4. Ponto de fulgor
  5. Ponto de combustão
  6. Ponto de mínima fluidez
  7. Resíduos de carvão

Independentemente da marca uma grande vantagem dos óleos sintéticos é que eles advêm de reações químicas, e com isso podem então ser controlados durante a fabricação, dentro dos 07 tópicos avaliados eles sempre estão em posição superior ao mineral, e os sintéticos são mais puros, mais duráveis, portanto serão um pouco mais caros no mercado, afinal de contas, o óleo sintético não tem restrição de veículo, não borrará o seu motor, não perderá a viscosidade e as trocas terão maior durabilidade. Não somente isso, com todas as politicas pela sustentabilidade e ecologia, estudos da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos comprovam que os óleos sintéticos podem ajudar na eliminação das emissões de gases de efeito estufa por cinco toneladas ao ano. Ou seja, em todos os quesitos o melhor custo beneficio para seu veiculo é o óleo sintético.

Então na próxima troca de óleo opte pelo sintético, o seu carro e a natureza agradecem!

E confira no próximo artigo a diferença entre SAE, API, ASTM e também o que é 5W40, 15W40, 20W40, 20W50.

× FALE COM A GENTE!